Chegamos ao fim de mais uma Campanha Salarial e ao considerarmos a tragédia política e econômica que vem assolando o país desde 2013/14, podemos considerar que fizemos o possível para atingirmos nossos objetivos dentro da realidade: Garantir aos trabalhadores metalúrgicos do Estado de São Paulo a reposição inflacionária de 8,5%, mais abonos e a manutenção integral das Cláusulas Sociais contidas em nossa Convenção Coletiva.

Na verdade conquistamos mais. Diante do quadro grave de desemprego no setor, fomos às ruas nos manifestar pela recuperação econômica; estivemos, junto com os trabalhadores permanentemente nas portas de fábricas esclarecendo, informando, levando a necessária consciência para a mobilização e a idéia fundamental de que apenas nossa união poderá manter a possibilidade de continuarmos obtendo conquistas.

Quero, sobretudo, parabenizar toda a categoria metalúrgica do Estado de São Paulo pela sua tenacidade e capacidade de luta. Quero parabenizar os 54 sindicatos filiados à nossa Federação que, em nenhum momento, fraquejaram diante das pressões patronais ou da situação absurda em que o país se vê afundado.

No entanto, é preciso deixar muito claro que a luta se encerra com a Campanha Salarial. A luta, essa sim, tem de ser permanente e constante para que possamos manter nossos direitos e buscarmos maiores conquistas. Esse processo não pode ter fim. Mobilizados, unidos e atentos, estaremos sempre preparados para resistirmos a qualquer crise e, muito mais do que isso, sermos os agentes de nossa História. Por enquanto, “Nenhum Direito a Menos!”, e será dessa forma que continuaremos caminhando no sentido de “Muitos direitos a Mais!”.

 

Claudio Magrão

Presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo