Eliseu Silva Costa é o novo presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo (FEDMETALSP). A eleição foi realizada nesta quinta-feira (30), na sede da Federação, em São Paulo, quando votaram representantes dos 54 sindicatos que foram à entidade sindical, considerada uma das maiores e mais atuantes da América Latina.

Essa é a primeira vez que um metalúrgico de Jundiaí concorreu e, agora, ocupará o cargo. A posse está prevista para fevereiro de 2018.  “Espero corresponder a essa responsabilidade que foi a mim confiada, ainda mais agora, nesse período pelo qual nosso país atravessa, com tantas reformas na legislação trabalhista. É num momento como esse, quando tantos direitos estão sendo tirados dos trabalhadores, que temos que nos manter unidos e ainda mais fortes para lutar pelo que vem por aí”, destacou Eliseu, que acumulará o cargo de presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Jundiaí, Várzea e Campo Limpo.

“Todos os nossos diretores têm a capacidade de liderar, mas entendo que tudo tem o seu tempo. E o momento do Eliseu chegou. Ele é um grande líder sindical, executou um ótimo trabalho como tesoureiro na Federação e está apto para atuar como presidente”, disse Cláudio Magrão, atual presidente da Federação.

 

Hoje a Federação representa cerca de 800 mil trabalhadores da categoria metalúrgica de todo o Estado de São Paulo.

 

“Ter o Eliseu como liderança está dentro de uma coerência da Federação. É um companheiro de luta que temos certeza que continuará o trabalho de unificação feito pelo Cláudio Magrão, que continuará com a gente como secretário geral”, disse Miguel Torres, Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM).

 

Eliseu já atuava na Federação desde 2009, quando entrou para a diretoria, em chapa encabeçada por Cláudio Magrão. Desde então, vem conciliando seus compromissos com o Sindicato. Nascido em Jundiaí, Eliseu começou a trabalhar aos 13 anos como office boy, na antiga Cica. Filho de pai metalúrgico e mãe dona de casa, era o mais velho dos quatro filhos. Estudou no Senai e depois de formado, aos 16 anos, entrou na Oscar, depois foi para Morando, até chegar na Sifco, onde está hoje. No Sindicato dos Metalúrgicos, começou como primeiro secretário até chegar à presidência.

“Sei que é uma missão muito grande, mas com fé em Deus e com a presença de toda diretoria e apoio do Magrão, que tanto me ensinou, continuaremos desenvolvendo um bom trabalho, com sabedoria, confiança, apesar de todos os desafios que já sabemos que iremos enfrentar. O país atravessa um momento delicado na economia. O mundo também. Mas essa não é a primeira vez que atravessamos uma crise, talvez nem a última. A metalurgia está em nosso sangue e lutar é a essência de nossas vidas. Nos orgulhamos de ser uma das categorias mais fortes deste país. E continuaremos firmes na busca por dias melhores.”

Por Viviane Gardini