A quinta-feira, 2, começou com mais mobilização nas portas de fábrica, desta vez, nas empresas de Osasco. As manifestações são organizadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região que busca esclarecer aos trabalhadores o sério risco de perder direitos fundamentais, se a Convenção Coletiva da categoria não for renovada até 1º de novembro.

A mobilização começou já no início da manhã, mesmo sob chuva e frio, em empresas como Metalsa, Askoll, Top Taylor, Univel, Croni, Univel, entre outras.

Nesta semana, também houve manifestações nas portas de empresas de Embu das Artes, Taboão da Serra e Itapecerica da Serra. Ao todo, 8 mil trabalhadores participaram nesta região e em Osasco.

O Sindicato esclarece que a Convenção Coletiva pode perder validade e direitos como a proibição da terceirização das atividades fins deixarem de existir, o que pode representar o fim de toda uma categoria. Isso porque acabou a ultratividade dos acordos, princípio que garantia a manutenção dos direitos enquanto durassem as negociações.

O Sindicato também faz o chamado aos trabalhadores para que compareçam aos seminários de organização que acontecem neste sábado, 4, a partir das 9h, na subsede de Taboão da Serra e na sede, em Osasco.

Cristiane Alves
Assessora de Comunicação
Sind. dos Metalúrgicos Osasco Região
www.sindmetal.org.br