Representantes dos sindicatos fiiados à Federação dos Metalúrgicos do Estado de SP fizeram manifestação nesta terça-feira,  9 de setembro, na entrega da Pauta de Reivindicações da Campanha Salarial Unificada 2014 à Fiesp (Federação das Indústrias do ESP) e aos grupos patronais 2 (máquinas e eletroeletrônicos), 19-3 (laminação de metais, equipamentos ferroviários, balanças, artefatos de metais, condutores elétricos, esquadrias etc.), Fundição.

A manifestação foi em frente ao prédio da Fiesp, na Avenida Paulista, 1.313.

A pauta tem mais de 150 cláusulas, econômicas, sociais e políticas, com destaque para a reposição das perdas provocadas pela inflação mais aumento real, valorização dos pisos, estabilidade para o delegado sindical, fim da terceirização, redução da jornada de trabalho, licença-maternidade de 180 dias.

O percentual de reajuste salarial não foi definido em função de ainda faltarem dois meses – setembro e outubro – para o fechamento da inflação dos 12 meses anteriores à data-base, 1º de novembro.

“Sabemos que vamos ter dificuldades nas negociações, mas isto não vai nos acuar nem nos impedir de buscar o ganho real, porque defendemos que quando o trabalhador tem dinheiro no bolso, ele compra, movimento o comércio, reforma a casa, ele faz a economia girar. Quando tira dinheiro do trabalhador, o patrão dá um tiro no pé, nas vendas, na produção”, afirmou Miguel Torres, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e da CNTM/Força Sindical.