Para os trabalhadores e para o movimento sindical, o ano de 2017 foi marcado por duros golpes. Em um contexto de grave crise econômica, de desemprego, de desesperança política e de acirramento nas divergências de opiniões, nos vimos frente a aprovação de uma Reforma Trabalhista que, em nome da modernização e da geração de empregos, aos poucos já começa a mostrar seu caráter de precarização do trabalho e desmonte das organizações que defendem os trabalhadores: seus sindicatos.

Os desafios que envolvem desde questões de sobrevivência financeira das entidades até novas formas de atuação das mesmas estão colocados de forma urgente frente a realidade. As dúvidas e incertezas relativas à nova legislação trabalhista e seu funcionamento ainda são muitas e não podemos vacilar em um só momento em nossa resistência na manutenção dos direitos dos trabalhadores.

Enfim, teremos um ano de muito trabalho, dificuldades  e muita responsabilidade e jamais abriremos mão disso. Também devemos ter sempre claro que as mudanças sempre trazem algo de positivo. E, nesse sentido, quero desejar ao Companheiro Eliseu, novo presidente de nossa Federação e a toda nova diretoria eleita, sucesso irrestrito diante dos diversos desafios que estão colocados. Vamos nos manter unidos como sempre com o único objetivo de nos mantermos fortes na defesa dos interesses dos trabalhadores metalúrgicos do Estado de São Paulo.

 

Claudio Magrão

Presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de SãoPaulo