O Sindicato esteve na porta da Mercúrio, em Jandira, na sexta-feira, 4, em busca de informações sobre o acidente que matou um trabalhador terceirizado, na quinta-feira, 26. Isso porque a empresa não cumpriu com o que manda a nossa Convenção Coletiva: comunicar o acidente imediatamente e enviar a ata da reunião extraordinária da Cipa. O companheiro fazia manutenção do telhado, de onde caiu.

A empresa se comprometeu a apresentar a documentação na sexta-feira, 4, no entanto, não o fez. O Sindicato acionou o Ministério do Trabalho, na segunda-feira, 7, para agendar mesa redonda.

Tragédia anunciada

Vinte dias antes, o diretor Sertório já havia surpreendido os trabalhadores terceirizados fazendo a manutenção no telhado sem uso de qualquer tipo de proteção prevista pela pela NR 35 (norma regulamentadora que determina regras de segurança para trabalho em altura). Prontamente, a empresa mandou os trabalhadores pararem e descerem do telhado. Mas, pelo visto, quando o Sindicato virou as costas tudo foi esquecido.

Terceirizado é marginalizado

Na assembleia, antes de fazer um minuto de silêncio em respeito ao companheiro, o Sindicato perguntou aos participantes da assembleia o nome dele. O silêncio foi total. Ninguém sabia o nome da vítima, o que só deixa claro o tamanho do descaso com que são tratados os trabalhadores terceirizados.

Fortalecer a Cipa é o caminho

Uma das providencias que o Sindicato vai tomar é organizar os trabalhadores para fortalecer a Cipa e ter um delegado sindical. O cipeiro tem a atribuição, a responsabilidade de ter um olhar de prevenção. “Vamos trabalhar para ter a eleição de uma Cipa atuante e de um delegado sindical para termos mais informações e municiar os trabalhadores para atuar pela prevenção”, afirmou o diretor Sertório Carvalho.

Denuncie ao Sindicato

O Sindicato só ficou sabendo da morte do trabalhador graças à solidariedade de um companheiro que denunciou o fato. Siga o exemplo: diante de qualquer desrespeito ao seu direito ou ao do conjunto dos companheiros, denuncie. A Campanha Conte Pra Gente busca incentivar essa prática. É só mandar mensagem para (11) 9-6078-0209 ou ouvidoria@sindmetal.org.br ou falar diretamente com os diretores nas portas de fábrica, sede e subsedes.

Cipa eleita na Meritor e na Belgo

O Sindicato acompanhou as eleições de Cipa (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), na Meritor e na Belgo, ambas em Osasco. O Sindicato deseja a a todos os eleitos um ótimo trabalho, de acompanhamento e cobrança para que haja prevenção de riscos à saúde do conjunto dos trabalhadores.

Jan Lips para por pagamento

Os companheiros da Jan Lips, de Taboão da Serra, iniciaram a segunda-feira com braços cruzados em protesto contra o atraso de salários. Diante do protesto, o patrão propôs pagar na quarta-feira, 9, mas os companheiros não aceitaram. Eles só voltam a trabalhar quando o pagamento for feito.

PLR garantida para mais companheiros

Nos últimos dias, o Sindicato conseguiu fechar acordo de PLR nas empresas GE (Jandira), Southco (Cotia) e Arapuxe (Taboão da Serra). Na GE, o valor é R$ 5.400. Conquistas que vêm da organização e participação dos trabalhadores junto ao Sindicato. Na Sothco, os companheiros não arredaram pé até conseguir melhorar a proposta inicial feita pela empresa.

Luta por refeição na Multialoy

Os companheiros da Multialoy denunciaram e o Sindicato foi atrás da pauta de reivindicações dos trabalhadores. Eles reclamaram de atraso nos depósitos de FGTS, fornecimento de refeição e fracionamento das férias. O Sindicato foi para cima da empresa e as negociações começaram em 24 de abril, com a participação de uma comissão de trabalhadores. E já há avanços: a empresa regularizou o pagamento das férias, negocia com a Caixa Econômica Federal a questão do FGTS e até 8 de junho deve apresentar cotação de fornecedores para oferecer refeição. Isso prova que só a organização e a luta conjunta com o Sindicato é que dá resultados.

Calor insuportável na Engrecon

Os trabalhadores da Engrecon procuraram o Sindicato para reclamar do inferno que estavam vivendo, com um calor excessivo na produção. O Sindicato fez reunião com a empresa, que, agora, adota medidas para corrigir o problema. Outras reclamações são o plano de cargos e salários e o plano de saúde, fornecimento de refeição e o atraso na comunicação de férias. Os diretores do Sindicato e os trabalhadores discutem o encaminhamento da pauta.

Fonte: Cristiane Alves/Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco